Origem dos relógios

A medição do tempo é um grande feito para nós. Embora não tenhamos controle sobre ele, afinal, mesmo sem relógios, sabemos que o sol nascerá no dia seguinte, a capacidade de entender os fenômenos naturais e se situar perante eles é uma grande conquista para a humanidade. É engraçado pensar sobre este aspecto quando falamos de uma peça já tão usual em nosso dia a dia. Mas afinal, como surgiram os relógios?

Sua origem não é tão clara. Historiadores divergem sobre a origem do relógio. Alguns defendem que o primeiro relógio foi criado na Judéia em 600 a.C, já para outros, a invenção teria surgido no Egito em 1.500 a.C.

Relógio de Sol

Antes, não tínhamos a necessidade de medir o tempo, mas com certeza, buscamos entender o comportamento da natureza através da observação das marés, do sol e dos astros. Provavelmente, o primeiro tipo de relógio, ou medidor de tempo, tenha sido o relógio de sol, no qual é possível observar a hora com a projeção da sombra com um gnomon. Conforme o movimento solar, a sombra projetada pelo gnomon sobre as marcações feitas no relógio indicava as horas. 

No entanto, este relógio possui uma clara limitação: não funciona à noite nem com o tempo nublado, já que não há luz solar para projetar as sombras.

Clepsidra e a ampulheta

A Clepsidra é um relógio movido à água e com a força da gravidade. O relógio é composto por dois recipientes, colocados em níveis diferentes, onde um está com água, localizado no nível superior, e o outro está inicialmente vazio, no nível inferior. Isso porque o recipiente com água possui uma abertura onde o fluxo de água é parcialmente controlado e vai para o recipiente inferior. Com uma escala de tempo no recipiente superior, é possível medir o tempo conforme a água vai para o recipiente inferior.

Diz-se que a clepsidra mais antiga foi encontrada em Kamak, no Egito, durante o reinado de Amenhotep III. Também foram encontrados exemplares na Grécia antiga, em 500 a.C.

Exemplo de ampulheta.

Já a ampulheta é constituída por dois recipientes cônicos e/ou cilíndricos, conhecidas como ambulas, ligadas por um pequeno orifício. Essas são transparentes e nos permitem visualizar a transferência da areia de um lado para o outro através do orifício.

E aí? Gostou desta pequena aula de história? Confira mais artigos sobre relógios no Blog da Vecchio Joalheiros e venha desfrutar deste incrível universo. 

Compartilhar no facebook
Share
Compartilhar no pinterest
Pin
Compartilhar no twitter
Tweet
Relacionados
Comentários